VIGO – CANGAS

HISTÓRIA

Vigo – Cangas: da Pré-história à Idade Contemporânea.

» Pre-história

Cangas.
Desde o século X a.C. até o século VI, há provas da existência de um povoado fortificado da Idade do Ferro no Monte O Facho. Mais tarde, no século VII a.C., neste mesmo lugar surge o castro fortificado, que se manteve até o século II, quando foi construído um santuário romano para adorar o deus galaico Berobreo.
Durante a ocupação romana estas terras dependiam da cidade de Lugo (Lucus Augusti) e eram habitadas pelos Helleni ou Grovii, que viviam nos castros.
Embora estas terras constituíssem a ponta mais meridional do Convento Lucensis, os historiadores concordam que Cangas era politicamente Lugo, mas culturalmente Bracarense, já que todos os restos encontrados são idênticos aos do Conventus Bracari .

Em Cangas há restos de vários castros, mas os mais notáveis são os de O Castelo em Darbo, Liboreiro em Coiro e Facho em Hío. Neste último, que se encontra mesmo à beira da falésia com vista para o Atlântico, foi construído um importante centro de culto onde foi encontrada uma colecção muito importante de aras romanas em honra do deus galego-romano Berobreo. A localização deste lugar, onde ocorrem espetaculares pores-do-sol, parece justificar o seu uso como santuário.

» Império Romano – Cangas

» Século XII

Cangas.
As primeiras referências escritas a Cangas datam de 1160, numa doação do Rei Fernando II, a primeira referência documental à cidade de Cangas.
Em 1467 começou um dos acontecimentos mais significativos da história da Galiza, o qual Cangas, naturalmente, não desconhecia.
Os abusos e excessos da nobreza galega foram de tal magnitude que mergulharam o Reino na mais completa anarquia.

Roubos e crimes eram comuns em todo o país, sendo a ordem e a justiça substituídas pela lei do mais forte. Além disso, a ânsia excessiva dos senhores feudais de se enriquecerem, levou-os a usurparem senhorias eclesiásticas e a entrarem em confrontos contínuos entre si.

Já na primeira metade do século XV, há relatos de assentamentos na costa de vizinhos do interior.

Em 1467, os habitantes de Cangas uniram-se contra os abusos que a nobreza galega vinha cometendo e participaram da chamada segunda Guerra Irmandiña, assumindo a Torre Darbo, que pertencia à mitra do arcebispo de Santiago de Compostela desde 1184.

» Século XV – Cangas

» Século XVII – Cangas

Piratas Berberiscos
No ano de 1617, aconteceram os acontecimentos mais dramáticos que Cangas viveu ao longo de sua história. Em 4 de dezembro, onze corsários turco-berberes ancoraram nas Ilhas Cíes com o propósito de causar a maior destruição possível aos bens da Coroa Espanhola.

Os piratas tentaram tomar o controle de Vigo antes de dirigir os seus arcos contra Cangas, que na altura era uma humilde vila de pescadores, totalmente desprotegida, sem cerco fortificado ou artilharia. Nas primeiras horas da manhã, cerca de 1.000 homens desembarcaram na Praia da Rodeira e Punta Balea, em frente ao povo aterrorizado do lugar. Às tropas empobrecidas juntaram-se numerosos vizinhos mal armados, liderando uma luta desesperada, em esmagadora inferioridade numérica.

Poucas horas depois, aqueles que conseguiram fugir para as montanhas próximas puderam contemplar um espetáculo assustador: a aldeia estava em chamas e dezenas de cadáveres estavam espalhados pelas ruas. Os turcos saquearam os arredores durante três dias e levaram consigo uma grande quantidade de saque, mas também dezenas de pessoas para do cativeiro da Argélia.

O povo de Cangas demorou muito tempo a se recuperar daquele desastre.

María Soliña, a Inquisição em Cangas

Entre 1619 e 1628, muitas mulheres de Cangas foram julgadas pela Inquisição por alegada “bruxaria”. Hoje sabemos que essas infelizes mulheres foram realmente vítimas de uma invenção dos Inquisidores. A caça às “bruxas” foi diretamente causada pelo empobrecimento geral que se seguiu à invasão turca de 1617. Entre todas estas mulheres, destaca-se María Soliño, protagonista de várias cantigas.

Batalha de Rande

Em 1702, as costas de Cangas foram palco de uma das batalhas navais mais sangrentas da história da Europa. Naquela época, a sucessão à Coroa espanhola estava em jogo e a possibilidade de Felipe de Anjou, neto do Rei Sol, aceder ao trono espanhol, provocou a reação energética das outras potências, temerosas de ver as duas potências unidas.

Em 11 de junho de 1702, 19 galeões espanhóis zarparam de Havana em direção a Cádiz, escoltados por 22 navios franceses carregando os maiores tesouros que já atravessaram o Atlântico.

Embora um pouco longe do local da batalha, Cangas testemunhou a importante Batalha de Rande, onde um esquadrão composto por navios ingleses e holandeses enfrentou o esquadrão franco-espanhol que guardava a carga mais valiosa trazida das terras da América.

Já no século XVIII, a indústria da salga melhorou a economia da região.
Em 1750, várias fábricas foram instaladas em Aldán e Hío, que no século XX se tornaram fábricas de conservas, a principal atividade industrial. De facto, em Cangas foi uma das três fábricas existentes na Galiza para o tratamento de baleias.

A principal indústria conserveira, Massó, que chegou a ter mais de 1.000 empregos, entraria em crise nos anos oitenta, ao mesmo tempo em que a crise da pesca se agravava – o que gerou um novo período de declínio econômico que encontra uma saída no turismo e participação ativa na região de Vigo.

» Século XVIII – XX – Cangas

» Fábrica Conserveira Massó

A Fábrica Conserveira Massó foi uma empresa importante que levou a um grande progresso económico na história de Cangas.
Trata-se de um complexo conserveiro, inaugurado em 1942, que contava com a mais recente tecnologia e instalações para trabalhadores como viveiros, refeitórios e chuveiros.
A Fábrica Massó é um claro exemplo da importância que a pesca, a salga e a indústria conserveira tiveram no desenvolvimento da indústria galega. Massó criou várias fábricas distribuídas entre os municípios de Bueu e Cangas do Mozarro.

NÃO ESPERE MAIS…

RESERVE AGORA SEU BILHETE

O bilhete para o destino dos seus sonhos
- +
- -
- +

AVISO IMPORTANTE

Se você for viajar para as Ilhas Cí ou a Ilha Ons a partir de 15 de maio (exceto Campistas), antes de comprar o bilhete, deverá obter a autorização solicitada pela La Xunta de Galicia, onde eles fornecerão o código pré -reserve (necessário para adquirir o bilhete de barco).

CONTINUE LENDO!

Siga-nos nas redes sociais

Copyright © Naviera Mar de Ons